Por que as namoradas devem amar mais que os namorados?

Por que as namoradas devem amar mais do que seus namorados? from Iuri Araújo on Vimeo.

Via Por que as namoradas devem amar mais que os namorados?

@giselecgs

Anúncios

Assista a aula: Fisiologia do amor, paixão e do sexo

Fisiologia do amor, da paixão e do sexo

A paixão é uma questão sensorial, por isso ela explode e acaba rapidamente. A afirmação foi feita pelo professor Miguel Arcanjo Áreas, do Instituto de Biologia (IB) da Unicamp, que iniciou sua aula magistral, no Ciclo Básico 1 da Unicamp, cantando a música Espelhos d’água, de Beto Guedes. Alunos sentados até nas escadas e corredores da sala se animaram com o evento, que contou com uma exposição multimídia, em que foram exibidos vídeos e músicas.

O evento ocorreu no âmbito do projeto “Aulas Magistrais”, idealizado pela Pró-Reitoria de Graduação (PRG) da Unicamp. “Nós convidamos professores da Universidade para dar aulas sobre um assunto que querem e dominam. Depois as aulas são disponibilizadas na internet de modo a formar um banco de dados de conteúdo em português”, relatou o pró-reitor de Graduação, Marcelo Knobel antes da aula.

Referência no IB por suas aulas e por seu entusiasmo ao ensinar Fisiologia e Biofísica, Áreas abordou os três tópicos da palestra à luz da fisiologia, ciência que identifica o fenômeno fisiológico e busca sua explicação no organismo íntegro. De forma lúdica o docente falou sobre as substâncias mobilizadas no corpo humano, quando as pessoas se apaixonam, amam e se relacionam sexualmente. “A gente se apaixona por uma imagem que formamos ao longo do tempo. Quando uma pessoa parecida com esse padrão que criei passa por mim, me apaixono por ela. O que leva a gente a se apaixonar? Feniletilamina e serotonina.” Estas substâncias são hormônios produzidos pelo corpo no cérebro, cujos níveis variam de acordo com a presença da pessoa que é objeto da paixão.

O amor, por sua vez, é conduzido pelos hormônios dopamina, ocitocina e vasopressina. “Estas substâncias são liberadas por estímulos dos quais eu não tenho controle. Sou refém do amor. O amor transcende o sensorial.” Já o comportamento sexual envolve todos os sentidos, além da expressão corporal e da história de vida dos amantes.

Fonte: Portal Unicamp

♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

@giselecgs

Snail in love

Daqui

♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

@giselecgs

A química por trás do amor

♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

@giselecgs

Eduardo e Mônica

♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

@giselecgs

Perfect Chemistry

Perfect ChemistryDaqui

♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

@giselecgs

No map!!!

Heart/brain

♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

Daqui

@giselecgs

Neurociência do amor – Os Mutantes

Nem começou e já quer recomeçar
Precisa andar antes de querer parar
Dar corda a discórdia só pra dar o que falar
Deixar calejar sem medo de amar
Caminhos sem trilhos não tem onde apontar
Então por que perder tempo em planejar?
Se a única escolha tende a deixar rolar
Melhor é correr ao invés andar
Xistocarpo é fátuo, de fato queima a alma
I’m dancing the music of life, come with me now
I am singing the music of life, sing with me now
Let us sing to the rainbow of love all together
Yes, singing the music of life, we are all one… yeah!
Sentimento sagaz afeta sem perguntar
Quer ir devagar, mas só quer acelerar
Explode e implode numa dança lunar
É a ponta da agulha, a pequena fagulha, maçã proibida
Labirinto, emboscada, escalada sem escada
I’m dancing the music of life, come with me now
I am singing the music of life, sing with me now
Let us sing to the rainbow of love all together
Yes, singing the music of life, we are all one
Nefasto, carrasco do casco, a vela sem mastro, uh uh
Grito sem dito, palhaço do mito, um fiasco
(2x)

♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

@giselecgs

Paper heart

Paper Heart

Daqui

Continuando o ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ de hoje

@giselecgs

Amor amor amor

Ed Sheeran

Continuando o mote de hoje:

😉

Daqui

@giselecgs

 

 

 

Entradas Mais Antigas Anteriores

"Um simples cérebro, sendo bem mais longo do que o céu, pode acomodar confortavelmente o intelecto de um homem de bem e o resto do mundo, lado a lado." Emily Dickinson
"Deve-se ler pouco e reler muito. Há uns poucos livros totais, três ou quatro, que nos salvam ou que nos perdem. É preciso relê-los, sempre e sempre, com obtusa pertinácia. E, no entanto, o leitor se desgasta, se esvai, em milhares de livros mais áridos do que três desertos." Nelson Rodrigues
"Cada um pense o quiser e diga o que pensa" Espinosa
"O animal satisfeito dorme" Guimarães Rosa
%d blogueiros gostam disto: