Phineas Gage e as azeitonas


Daqui

@giselecgs

Anúncios

Nós que Aqui Estamos por Vós Esperamos








@giselecgs

Cérebro na arte Renascentista

Especula-se que os mestres do Renascimento esconderam em suas obras imagens anatômicas do cérebro, dentre esses artistas estão Michelangelo e Gerard David.
Durante o Renascimento os estudiosos tomaram como confiáveis as ciências e assim a anatomia humana adquiriu uma importância fundamental.Mas os artistas eram mantidos pelo clero religioso, então como poderiam demonstrar em sua arte a ciência ao invés da religião?A ideia é que eles esconderam a anatomia em suas obras.
Há 21 anos Meshberger notou como a “Criação de Adão” representadas na Capela Sistina mostra Deus rodeado por uma cortina que tem a forma do que ele acreditava ser a seção sagital de um cérebro humano.A interpretação desta cena dada por Meshberger é que Deus, no processo de criação de Adão, lhe dá o dom do “intelecto”, simbolizado pelo cérebro.

Outro exemplo é a pintura de Gerard David : “Transfiguração de Cristo” que se assemelharia a uma secção coronal do cérebro.

Será tudo isso apenas coincidência?

Daqui,Daqui e Daqui também

Os artigos podem ser encontrados nos links abaixo:

An interpretation of Michelangelo’s Creation of Adam based on neuroanatomy

Brain ‘imaging’ in the Renaissance

@giselecgs

E no princípio era o cérebro

Nem sempre o cérebro foi tido em alta consideração como na atualidade.O filósofo grego Aristóteles, acreditava que o coração seria o local da inteligência e do pensamento. Os antigos egípcios também não pensavam muito a respeito do cérebro. Na verdade, quando ocorria a mumificação, os egípcios retiravam o cérebro através das narinas e o descartavam.O coração e outros órgãos internos eram também retirados, mas eram preservados.
No entanto, os antigos egípcios são responsáveis ​​pelo registro mais antigo escrito usando a palavra “cérebro” . A palavra “cérebro” aparece em um documento antigo (papiro), chamado Edwin Smith Surgical Papyrus. Este documento foi escrito por volta do ano 1700 aC, mas é baseado em textos que remontam a cerca de 3000 aC. Este documento é considerado o primeiro documento médico na história da humanidade. É possível que o papiro tenha sido escrito pelo grande médico egípcio chamado Imhotep.

Hieróglifo que representa a palavra cérebro

O papiro é uma descrição de 48 casos clínicos. O papiro possui cerca de 4,68 metros de comprimento e 32,5 a 33 cm de largura.Vários casos foram importantes para a neurociência pois discutiram o cérebro, as meninges, medula espinhal, e o líquido cefalorraquidiano, pela primeira vez na história.
O papiro tem o nome de Edwin Smith, um egiptólogo americano que nasceu em 1822 e morreu em 1906. Em 20 de janeiro de 1862 na cidade de Luxor, Smith comprou o papiro de um traficante chamado Mustapha Aga. Depois que Smith morreu, sua filha, Leonora Smith, deu o papiro ao The New York Historical Society. Em 1920, James Henry Breasted, fundador do Instituto Oriental de Chicago, foi solicitado a traduzir o papiro. Finalmente, em 1930, o Dr. Breasted publicou a tradução de Inglês para “The New York Historical Society (University of Chicago Press.

Os 48 casos contidos no Edwin Smith Surgical Papyrus relataram:

27 lesões na cabeça (casos # 1-27)
6 garganta e no pescoço (casos # 28-33)
Duas lesões na clavícula (clavícula) (casos # 34-35)
3 lesões no braço (casos # 36-38)
8 lesões ao esterno (esterno) e reforços (casos # 39-46)
Um ferimento no ombro (caso # 47)
Um prejuízo para a coluna (caso # 48)

É provável que os pacientes descritos nos 48 casos foram feridos pelas quedas (talvez trabalhando em monumentos ou edifícios) ou foram vítimas de batalha (muitas feridas parecem ser causados ​​por lanças, clubes ou punhais.) O cérebro é mencionado 7 vezes em todo o papiro. No entanto, não há uso da palavra “nervo”. Estudiosos da história médica teriam ficado impressionados com a abordagem racional e científica para o diagnóstico e tratamento dos 48 pacientes. Os métodos utilizados são baseados na observação racional e tratamento prático e são na sua maior parte, livre da “magia” e superstição.

Fonte aqui

Esses hieróglifos formam um ótimo desenho para uma tatuagem hein….

@giselecgs

"Um simples cérebro, sendo bem mais longo do que o céu, pode acomodar confortavelmente o intelecto de um homem de bem e o resto do mundo, lado a lado." Emily Dickinson
"Deve-se ler pouco e reler muito. Há uns poucos livros totais, três ou quatro, que nos salvam ou que nos perdem. É preciso relê-los, sempre e sempre, com obtusa pertinácia. E, no entanto, o leitor se desgasta, se esvai, em milhares de livros mais áridos do que três desertos." Nelson Rodrigues
"Cada um pense o quiser e diga o que pensa" Espinosa
"O animal satisfeito dorme" Guimarães Rosa
%d blogueiros gostam disto: