Biscoito da sorte

A história do biscoito da sorte surpreendentemente inicia-se oitocentos anos atrás com a figura de Genghis Khan, grande guerreiro mongol que ao estender as fronteiras de seu Império por toda Ásia chegou a dominar grande parte da China.  Esse domínio fez-se por mais de um século, até quando, mediante o enfraquecimento de seu dominador, o povo chinês iniciou sua luta pela liberdade.
Durante anos batalhas foram travadas.  Sentindo próxima a vitória, os chineses elaboraram a estratégia do ataque que finalmente os levaria à reconquista de seu território.  Esta foi magnificamente planejada mas ainda restava uma questão: como transmití-la aos inúmeros exércitos espalhados por outros inúmeros fronts sem que esta caísse em domínio dos terríveis mongóis?

Havia na época um doce chamado de “bolo da lua” cujo sabor era detestado pelos mongóis.  Valendo-se disso, os chineses colocaram os planos dentro desses bolos que foram enviados a todos generais.
Através dessa ação o povo chinês reconquistou sua autonomia, dando início à dinastia Ming (aquela mesmo, famosa por sua porcelana) e, para comemorar tal feito, anualmente os chineses passaram a trocar mensagens de felicitação da mesma forma em que as mensagens secretas foram enviadas, dentro do que pode ser chamado de “bolinhos da vitória”.

As informações são daqui

E a foto vi aqui

@giselecgs

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

"Um simples cérebro, sendo bem mais longo do que o céu, pode acomodar confortavelmente o intelecto de um homem de bem e o resto do mundo, lado a lado." Emily Dickinson
"Deve-se ler pouco e reler muito. Há uns poucos livros totais, três ou quatro, que nos salvam ou que nos perdem. É preciso relê-los, sempre e sempre, com obtusa pertinácia. E, no entanto, o leitor se desgasta, se esvai, em milhares de livros mais áridos do que três desertos." Nelson Rodrigues
"Cada um pense o quiser e diga o que pensa" Espinosa
"O animal satisfeito dorme" Guimarães Rosa
%d blogueiros gostam disto: